Espeleologia numa perspectiva para o futuro


Jose Alho
José Manuel Alho, Biólogo/Ambientalista

Espeleologia é o motivo para voltarmos a falar do Maciço Calcário Estremenho, desta vez numa perspectiva pouco vulgar.

Se a percepção do que nos rodeia depende do ponto do qual nós o observamos, temos muito a aprender com os espeleólogos, esses exploradores das entranhas da Terra. Observar o mundo a partir do interior deste e de outros Maciços é domínio de aventureiros corajosos que aliam o gosto da descoberta à utilidade da investigação.

Até há pouco tempo, a actividade dos espeleólogos estava distante do nosso quotidiano de cidadãos, tal como as cavidades obscuras que desvendavam. Actualmente muito por força dos problemas ambientais, mas também pela valorização do nosso Património Natural a espeleologia assume lugar de destaque quando estudamos o território e definimos modelos e estratégias de desenvolvimento sustentável.

Tem sido no interior do Maciço Calcário Estremenho que a actividade espeleológica em Portugal tem desenvolvido a maior parte do seu percurso e isso significa para o cidadão comum a revelação de grutas tão visitadas como as de Sto. António, Alvados, Mira d’Aire ou da Moeda e para os especialistas está associada ao interesse científico da Gruta do Almonda ou dos Olhos de Água do Alviela .

A acção dos espeleólogos permitiu perceber parte significativa dessa imensidão do calcário nos seus jogos contraditórios, de mistérios encobertos em grutas e algares por baixo dos nossos pés, com a água a brotar dos olhos de água no Alviela , no Almonda , no Lena e no Lis, conferindo ainda maior dimensão a este Território.

A FPE – Federação Portuguesa de Espeleologia através da sua Comissão Científica, promoveu, as I Jornadas Científicas de Espeleologia, sob o tema do Maciço Calcário Estremenho com o intuito divulgar as diferentes vertentes científicas e trabalhos de investigação.

Diversos estudos de áreas científicas relacionadas com a espeleologia, onde se destacam o Ambiente, a Biologia, a Geografia Física, a Geologia, a Geofísica, a Paleontologia, a Arqueologia, a Arqueozoologia, a Física foram apresentados por variados especialistas, alguns de grande relevo internacional.

A partir de questões globais tão importantes como as reservas de água doce disponíveis na Terra, as alterações climáticas e o aquecimento global, especialistas de diferentes origens, nas palavras da organização, “estabeleceram pontes” entre as diferentes disciplinas científicas em torno de um melhor conhecimento do “mundo subterrâneo” e suas dinâmicas, contribuindo para um melhor conhecimento deste nosso Território.

Estas Jornadas Científicas de Espeleologia lançam também sobre os decisores a nível nacional, regional e local a responsabilidade de gerir este “recurso” de forma coerente com o seu excepcional valor científico, patrimonial e económico numa dinâmica sustentável.

José Manuel Alho escreve no JN,quinzenalmente, à quinta-feira j.alho@sapo.pt

in Jornal de Notícias 15/04/2008

Resta acrescentar que José Alho é também Director Adjunto do Departamento de Gestão de Áreas
Classificadas do Litoral de Lisboa e Oeste do ICNB, que inclui as
Áreas do PNSAC, Montejunto, Sintra/Cascais e Arrábida.

Advertisements

~ por Membro suspenso em 15 / 05 / 2008.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: